segunda-feira, 4 de Agosto de 2014

"...VIº TNLO » Ultra Trail Nocturno Lagoa Óbidos..."

...neste momento, o tempo assinala que mantive o equilíbrio possível entre as minhas voltinhas diárias, que me transportaram na realização e conclusão deste VIº TNLO » Ultra Trail Nocturno Lagoa Óbidos » 50km...
...anteriormente, neste tempo que nos move no seu compasso, efectuei mais uma Doações de Sangue, contabilizando no meu todo 44ª Dádivas Benévolas de Sangue, conseguindo o objectivo para que as mesmas coincidissem com o meu 44º Aniversario, no dia 24/06/2014, sendo momentos para festejar estas conquistas, descansar e recuperar o usado esqueleto, entre o ar e o sol Algarvio, o mar e o areal da familiar Praia de Manta Rota, recarregando energias, degustando novos sabores entre a partilha da indispensável companhia da minha Alcateia Familiar...
...assim, no regresso ate este meu Alto Alentejo, completamente restabelecido, foi tempo de retomar as minhas voltinhas diárias, na busca do equilíbrio necessário para iniciar um novo ciclo composto por mais alguns desejados Desafios d´Aventuras em Ultra Trail Running, de nível superior em dificuldade...
...esta U.T.N.L.Óbidos » 50km, foi o primeiro Desafio do próximo ciclo que será desenvolvido de forma gradual crescente, tendo sido seleccionado por ser classificado de simpático e generoso entre tudo o que o compõe, contendo em simultâneo alguns objectivos a atingir, tais como realizar um Desafio ate então meu desconhecido, por ser percorrido durante a noite evitando as temperaturas tórridas do dia,  concluir a minha terceira Ultra referente ao Circuito da ATRP, sendo assim "Ultra Finisher ATRP/2014", mas também realizar uma avaliação real ao meu actual estado físico/mental, referenciando ainda que o mais importante de tudo isto foi divertir-me, reencontrar Amigos e ganhar motivação para prosseguir a trilhar o que se avizinham...
...e assim foi, após mais uma noite perdida de serviço, seguida de insistentes passagens pelo sono no decorrer da manha de sábado, era tempo de arrumar equipamentos, almoçar, pegar na viatura e sair na busca dos companheiros de jornada, mais propriamente os "Guerreiros Vicentinos"; José Presado, Emanuel Machado, Pedro Vaz, e percorrer os 230km que nos colocaram em Óbidos, onde nos juntamos ao Daniel Dias e Roberto Barreto...
...o Daniel Dias, realizou todo o protocolo de secretariado, recebendo-nos com a sua companheira na residência de seus pais, onde nos foi servindo um digno jantar, conjuntamente entre muita simpatia, permanecendo eu muito grato por tudo!!!
...era tempo de perfilar na partida simbólica, percorrendo as ruas do Castelo de Óbidos entre os aplausos e gritos de incentivos dos muitos visitantes e figurantes presentes na Feira Medieval...
...o Desafio tem inicio de seguida, no largo exterior da entrada do Castelo, onde cada qual procura o seu espaço, permanecendo junta todos os "Guerreiros Vicentinos" conforme tínhamos decidido fazer, quando me surge o primeira contrariedade da noite, mais propriamente com a minha mochila!!!
...era tempo de voltar um pouco a traz, apanhar o bidon, retirar a mochila, colocar o tubo hidratação e a alça direita no sitio e perseguir na cauda do pelotão, mais propriamente sozinho, não conseguindo ver ninguém, restando-me concentrar na leitura das marcas florescentes e acertar ritmo, pois espaço era o que não me faltava...
...e assim prossigo ate um entroncamento, onde uns elementos da organização me indicam que estou com um atraso de 5´/6´dos penúltimo, la continuei metendo andamento na busca por alcançar a companhia dos Guerreiros Vicentinos, o que não consegui antes do 1ºPAC » 8.5km Sobral da Lagoa, nem do 2ºPAC » 14.5km Vau, conseguindo somente perto do 3ºPAC » 25km Praia d´Elrei...
...confesso que sou um apreciador da noite, da solidão e da chuva, mas o imprevisto da mochila tinha colocado todas as manobras em sentido oposto, exigindo ir em constante "Fartlek" pois assim que iniciei a transposição dos muitos participantes, nem sempre o conseguia fazer de seguida,  tinha que aguentar muitas das vezes devido ao seu ritmo lento nos locais mais apertados, esperar nas zonas mais técnicas e tentar voar quando tinha espaço pela frente ou quando via camisolas verdes interrogava-me se seria agora que agrupava!!!
...sentindo a chuva no rosto, sorria sozinho na noite, pois mais uma vez ficava provado o enquadramento neste decorrer da minha caminhada  com meu preferido álbum "O Mundo ao Contrario » Xutos"...
...na saída do 3ºPAC » 25km Praia d´Elrei, saímos em grupo, estando o Emanuel Machado para a frente, observando que o Daniel Dias estava solto, transmiti-lhe num incentivo para se ir embora, pois eu, precisava de recuperar um pouco dos 25km de "Fartlek", sabendo que tinha pela frente os 9km mais exigentes do Desafio, composto por dunas de areia ate a 4ºPAC » 34km Praia dos Pescadores, onde na reencontro o Amigo Eduardo Santos que me brinda com umas fotos no descer da escadaria e me transmite que os km restantes eram a rolar em redor da Lagoa de Óbidos, sendo os últimos km um pouco técnicos, com subidas ligeiras e a subida final ate a conquista do castelo da Vila "magica" de Óbidos...
...e assim foi, prossegui a rolar na companhia do Pedro Vaz, com a missão de o ver concluir a sua primeira de muitas Ultras, marcando o ritmo, ate ao 5ºPAC » 43km Miradouro do Arelho, prosseguindo entre conversa diversificada e empurrando o esqueleto ate ao insuflável final no 6ºPAC » 52km Castelo de Óbidos, atingindo assim o principal dos muitos objectivos que tínhamos traçado, transportando connosco mais uma vez Dignamente a camisola do Centro Vicentino da Serra » Portalegre!!!
...era tempo de ingerir duas saborosas sopas, alongar um pouco entre alguma conversa de Amigos, felicitar o Excelente Trabalho, o Excelente Desafio ao Grande Srº Ultra Jorge Sarrazinas e caminhar ate ao necessário Banho para viajar rumo a este nosso Alto Alentejo, onde chegamos pelas 8h, com o esqueleto massacrado das muitas horas sem dormir, dos km percorridos entre a transposição de todos os obstáculos naturais, das duas viagens de ligação, mas com a alma cheia de fortes emoções, pois sei que se tudo isto fosse fácil, certamente não seria para mim!!!
...sinto que foram alcançados todos os objectivos estabelecidos para Óbidos, tais como percorrer o Desafio na totalidade dignamente, colaborar com os menos experientes, realizar uma avaliação do meu actual estado físico/mental neste inicio de ciclo, divertir-me, ganhar ritmo para encher gradualmente o esqueleto de horas/km na busca de muita motivação para conquistar  os próximos ultra Desafios...
...ate estes, despeço-me com um abraço, lfmricardo

sábado, 31 de Maio de 2014

"...Uivos de Honestidade em Maio..."

...Maio é o mês da fertilidade, do renascimento e do brotar de um novo ciclo de vida na natureza...
...foi também o celebrar do 4ºAniversario deste meu "Uivosdelobo.blogspot.pt" enquanto de um magnifico fim de semana entre os trilhos da Ultra Trail de Sesimbra, como também entre os festejos pela consagração das três conquistas do meu SLBenfica que foi impossibilitado pelos interesses da UEFA de conquistar o quarto da época e ainda o meu regresso em nova participação na UTSM por entre os trilhos deste meu habitat natural, por onde felizmente permaneço desde a minha infância...
...Portalegre, cidade do Alto Alentejo, cercada de serras, ventos, penhascos, oliveiras e sobreiros, conforme um dia a descreveu o poeta José Régio, que a adoptou como sua, é capital de distrito, com cerca de 15642 habitantes, sendo sede de município com uma área de 446,24km2 e 24930 habitantes (nº Censos 2011)
...Portalegre é frequentemente descrita como a zona de transição entre o Alentejo mais seco e plano, e as Beiras, mais húmidas e montanhosas, apresentando uma orografia mais variada do que na generalidade do restante Alentejo, factor que contribui pata que a paisagem tenha características peculiares...
...finisher » 1ªUTSM 2012...
...a cidade encontra-se a uma altitude entre os 400/600m, na zona de transição entre a planície, com algumas colinas pouco elevadas a sul e oeste, e o sistema montanhoso de São Mamede, que a rodeia a norte, leste e sueste, com uma geologia variada, traduzindo os solos com zonas de xisto, calcários e quartzitos, apresentando características únicas da paisagem, flora e fauna, então a base da criação do Parque Natural da Serra de São Mamede, que integra uma parte considerável da área do concelho...
...por entre os trilhos deste Parque Natural, realizou-se a 3ªUTSM » Ultra Trail São Mamede, repetindo eu a distancia de 100km, a semelhança do que fiz na 1ªEdição, tendo sido impossibilitado de o fazer na 2ªEdição por contrariedades físicas, acrescentando que foi esta a edição que mais me custou...
...o Desafio proposto era generoso em termos de dificuldade (percurso/acumulados) e enquadra-se bem na performance físico/mental actual, resultante das minhas voltinhas diárias, como também por não me exigir despesas com deslocações e ainda ter o privilegio em receber e partilhar da companhia de Amigos neste meu habitat natural...
...esta 3ªUTSM, possuía ainda o reconhecimento pela ATRP do trabalho desenvolvido nas anteriores edições, tendo a atribuição da Prova designada de Campeonato de Portugal de Ultra Trail, na qual 700 Aventureiros responderam com a sua presença no Desafio, mas onde as grandes figuras do Trail Nacional não marcaram presença preferindo trilhar para outros azimutes...
...no entanto, os Desafios realizam-se com aqueles que desejam estar presentes e eu Honestamente gostei de o ter realizado, sentindo que melhorou em relação a 1ªUTSM, fazendo questão inclusivamente de ter demonstrado isso mesmo pessoalmente, atribuindo os Parabéns pelo reconhecimento do magnifico trabalho desenvolvido, entre alguns dos quais possuo Amizade dentro do Staff do ACP...
...o secretariado funcionou de forma eficaz, desejando pessoalmente de forma Honesta votos das maiores Felicidades para toda a organização, patrocinadores e Aventureiros, aproveitando de seguida para dar uma espreitadela na feira de material desportivo que se encontrava no estádio entre o reencontro de inúmeros amigos destas lutas...
...o tempo passava, a hora do jantar aproximava-se e era tempo de observar os últimos preparativos para me deslocar ate ao local para controle de material obrigatório e entrada para 0km, que fluía normalmente, recebendo um grande abraço de Amizade retribuído de votos Honestos de Sorte aos velhos Amigos Miguel Serafim e Fernando Carvalho, que de forma educada me retribuíram a mesma atenção...
...ao som do Roger
Waters e David Gilmour, numa extraordinária versão Alentejano com o nome de Eclips, banda formada por professores e alunos do Conservatório Musica de Portalegre, que com os seus temas nos balançavam no tempo para os trilhos, aguardando na companhia de Amigos Vicentinos...
...os primeiros km eram na busca do melhor espaço, aquecer o corpo e aconchegar a mente, sem grandes sobressaltos, com alguns cuidados que não evitaram duas quedas sem gravidade no usado esqueleto, que prosseguia calmamente atingindo o PAC1»10km na Adega das Altas Quintas, onde pergunto se existe controlo de passagem, pois não sou atleta do atalho e sim um desportista honesto e respondo que esta tudo bem marcado ate então, prosseguindo por entre os familiares trilhos ate ao PAC2»16km Alegrete, recebendo enormes saudações por parte dos muitos Amigos que por ali permaneciam, não estivesse eu em casa, na minha freguesia...
...de lá, sai com a moral em alta, contemplando mais uma vez esta minha serra, transportando na mente as vivências do passado entre a companhia do meu falecido Pai, recebendo a sua energia, atingindo sem grandes dificuldades o PAC3»28km São Mamede, sentindo o meu terreno, prossegui confiante num fantástico grupo composto pela grande senhora do Trail Susana Simões e a Ester Alves, os camaradas M.Quelhas, B.Neves e J.Semedo, chegando ao PAC4»37km São Julião, de onde se observa as luzes dos inúmeros frontais naqueles trilhos que justificam a aplicação da palavra Trail...
...o grupo partiu-se e prossegui com o JSemedo, num ritmo confortável, escalando os trilhos que nos transportam por terras de "nuestros ermanos", nas encostas das serras do Turjão, recordando os Desafios que por ali realizei no passado nas Ultras de Btt, assistindo ao romper do nascer do dia, após uma extraordinária noite, que nos colocava no  PAC5»48km Porto da Espada, onde sou brindado pela Amizade do Amigo Drº Pepe que me retempera com meia bifana no pão e uma caneca de café, após rejeitar um convite para malhar um tinto...
...na companhia do JSemedo prossigo, atravessando a encosta da Serra Selada, que a seus pes nos brinda com a travessia do rio Sever, e iniciamos a conquista ao Castelo de Marvão, onde se encontra o PAC6»59km e alguns Amigos que aguardam pelo inicio dos seus Desafios, local onde retempero forças após esta exigente escalada, saboreando uma saborosa sopa, juntamente com a prestável simpatia do Prf. Drº Domingos Bucho...
...abasteço a mochila de hidratação, solicito ao Amigo Luís Ferreira que informe via telm. a minha Alcateia familiar que vou seguir e desço a calçada romana, passando por entre o campo de golfe da Portagem, escalando o trilho do Cancho do Lobo que me coloca no PAC7»69km Carreiras, onde se encontra de serviço a minha Camarada Filipa Gonçalves, pedindo que informe a minha Alcateia familiar que já prossegui em frente...
...desço pelo alcatrão entrando na calçada romana das Carreiras, que trilho com a necessária vontade por atingir o PAC8»76km Penha de Castelo de Vide, local onde saúdo com felicitações o velho Amigo Sérgio Carinhas, transmitindo-lhe que estava tudo impecável ate então, abastecendo e reencontrando a minha Alcateia familiar...
...prossigo determinado trilhando passo a passo, para mim a parte mais feia do percurso, chegando sem contemplações e sentindo já algum calor ate ao PAC9»89km Convento da Provença, onde neste magnifico cenário degusto um pouco de Pizza, ingiro alguma Coca-Cola e recebo incentivos da Alcateia familiar, transmitindo-lhe para irem directamente para junto do insuflável final e aguardarem que por lá chegue, pois tinha ainda que transpor a serra da Penha...
...foi o que fiz, sai cauteloso, gerindo o esforço e sofrendo com o calor abafado em determinadas zonas, atingindo assim o PAC10»95km Ermida da Penha, local por onde passo e preparo a descida da escadaria, sentindo a certeza na conquista de mais um Desafio...
...restavam os últimos momentos, o ultimo esforço para transpor mais uma vez o insuflável final de um Desafio que tinha tido inicio algumas horas antes e que assim terminava, transportando comigo de forma Honesta tudo o que sou e represento, dignificando a camisola do Centro vicentino da Serra » Portalegre, desta feita com um sabor especial, numa sensação indescritível enquanto da partilha do momento pela companhia da minha filha Mariana...
...era tempo de sentir discretamente todas as inúmeras sensações, enquanto do reencontro da Alcateia familiar e dos Amigos, como também de felicitar pessoalmente a grande Senhora e Atleta na pessoa de Vitorina Mourato, pelo extraordinário trabalho desenvolvido conjuntamente com todos os voluntários anónimos, neste Desafio d´Aventuras de Trail Running que tive o privilegio de percorrer com o desejo de numa outra qualquer futura edição tentar repetir o feito...
...no dia seguinte, foi tempo de continuar a partilha de Amizades, retemperando forças na degustação de um excelente almoço, em pleno Parque Natural da Serra de São Mamede, mais propriamente na esplanada da Sede do Centro Vicentino da Serra, contemplando a calma Alentejana, recordando Aventuras, projectando-se o futuro, na companhia das nossos Alcateias familiares, dos Amigos Luís Ferreira e Lena, José Presado e Esposa, e da Desnível+ Telmo Veloso, Susana Simões, Pedro Pinho e Esposa...
...porque tudo isto é Trail Running, despeço-me neste meu Uivo de Honestidade em Maio, endereçando um forte Abraço/Bjs a todos os meus Amigos!!!
...cruzamos-nos num qualquer outro convívio, trilho ou Ultra Desafio, lfmricardo




domingo, 4 de Maio de 2014

"...IVº Ultra Trail de Sesimbra..."

...poderia iniciar este meu "Uivo" de inúmeras formas, mas começo por referir que desde Iº Ultra Trail de Sesimbra que tenho mantido vontade em colocar por lá este usado esqueleto, tendo realizado todas as inscrições, mas que devido a inúmeras contrariedades, somente nesta edição consegui estar presente!!!

...desta feita, empreendi nuns dias de ferias, contornando assim imprevistos profissionais, tendo saído de Portalegre na quinta-feira 01/05/2014, feriado "Dia do Trabalhador", na companhia da minha "alcateia" 
para assim empreendermos o nosso precioso tempo, entre a companhia da minha irmã, que devido as suas novas funções possui uma residência temporária na zona, onde assim neste novo habitat, visitamos Sesimbra não só para ficarmos a conhecer, mas também cortar rotinas, respirar outros ventos, saborear novas gastronomias, relaxar na praia, comemorar o 4º aniversario deste meu projecto pessoal "uivosdelobo.blogspot.pt"   e ainda participar no Desejado Desafio IVº Ultra Trail de Sesimbra, partindo na busca do desconhecido entre o sempre agradável reencontro de amigos relacionados com estas vivências...
...Sesimbra, pertencente ao distrito de Setúbal, sendo uma acolhedora vila, onde se escuta na praia as badaladas do relógio que marca a toada do tempo desde a torre da igreja, banhada pelo Oceano Atlântico, a foz do Sado, a serra da Arrábida, o cabo Espichel e a lagoa de Albufeira fazem parte da paisagem, onde o verde da serra se conjuga na perfeição com o azul do mar, criando paisagens únicas, possuidoras de trilhos fantásticos, sinuosos, diversos entre as dunas de areia, as falésias, de terra batida ou de pedra, todos eles rodeados por diversa vegetação...
...assim, no equilíbrio e contemplação das minhas voltinhas diárias, que me transportam ate estes Desafios, que não são mais que uma vivência saudável neste percorrer de novos locais tantas vezes somente transponíveis desta forma, conjuntamente devido as minhas limitações de um simples desportista, onde tenho que empreender algum espírito de sacrifício, uma disponibilidade total de sofrimento físico/mental,  adquirindo um crescimento pessoal, tantas vezes somente entre a solidão e os trilhos das montanhas...
...neste Desafio Ultra Trail de Sesimbra, composto por um circuito em forma de circulo de 52km + 1500m D+ e 30º graus de temperatura, teve partida/chegada na praia do Ouro, saindo em direcção a doca de pescas, entrando nos estradões de terra batida que depressa deram inicio a exigentes trilhos técnicos, num sobe e desce constante, onde na saída do PC2 » 9km, fui informado para ter cuidado, pois tinha inicio e muito bem apelidado Trilho das Vertigens, onde muito cautelosamente se descia, agarrado-me ao brusco reboco do cimento do muro existente, onde deixei alguma pele das mãos, não conseguindo deslumbrar o final do trilho que fazia uma escarpa para os rochedos onde o mar embate sem dó na sua luta pela conquista da terra...
...este cenário permanecia numa extensão que me transporta numa cautela desgastante ate ao PC3 » 16km, situado no mítico Cabo Espichel, onde para alem de abastecer, fiz controlo de passagem, saudoso planeamento organizativo, gesto muito aplaudido entre todos aqueles que tal como eu não poluímos os trilhos de forma alguma e muito menos com atalhanços de circuitos numa fraude nada ética para a verdade desportiva, reveladora de falta de muitos princípios e qualidades humanos...
...saindo do Cabo Espichel, na companhia de um grupo composto por Aventureiros tal como eu, passamos por umas ruínas onde uma equipa de filmagens nos observava estupefacta enquanto montavam uma cama e colocavam uns quadros na construção de um cenário para rodarem umas cenas de um filme algo intimo...
...entre risota e comentários bem humorados, nada disto nos parou e prosseguimos Azimutes em direcção a Praia do Meco, onde nas dunas a norte da mesma, tínhamos que travar uma luta de 9km, espetando os ténis na areia fina, tendo que recorrer a caminhada inúmeras vezes para transpor as dunas, chegando na companhia do Paulo Pires ao PC4 « 24km, onde para alem de abastecer para retemperar forças, retiro a areia dos ténis e reencontro de serviço no PC o Amigo Edmundo, aproveitando para o felicitar pessoalmente pela sua excelente prestação na MIUT...
...o calor já se fazia sentir, era importante uma boa hidratação, pois avizinhavam-se 8km de um relevo enganador de sobe e desce constante, ainda que de forma despercebida, trocando informação com o Paulo Pires que tínhamos que ter algum cuidado, pois ainda existe muito para transpor...
...com a moral em Alta mas em constante Alerta, fui empurrando o corpo ate ao PC5 » 32km, onde volto a abastecer,  faço controle de Chip, troca-se informações, alguma brincadeira com o prestável "Staff" de "O Mundo da Corrida" e prossigo por entre trilhos de piso duro com pedras salientes, rodeado por uma vegetação verde, rasteira que durante os 7km me ligam numa escanção de inclinação positiva e me colocam no PC6 « 39km...
...neste volto a abastecer,  e prossigo sozinho, no meu ritmo transpondo os km entre muitas passadas, animando alguns camaradas por quem passei, sentindo o calor abafado, realçando que na passagem pelas pedreiras sofri mais que o desejável, controlando as pernas, ajustando o desgaste do corpo, para que a mente aguentasse todo o resto, focado no desejo de conquistar o Castelo de Sesimbra, a ultima ascensão que me coloca no ultimo PC 7 » 48km, por onde passo enraivecido comigo mesmo, sem parar, atribuindo apenas votos de uma continuação de Bom dia ao Ico Bossa e restantes companheiros, escutando deste em tom de brincadeira e risos,  (eu, não tinha vergonha por somente agora por ali estar a passar)...
...sabia que me faltavam os 4km finais, para conquistar apenas mais um Desafio pessoal, restando-me controlar as pernas com sinais de cambras e aguentar o corpo massacrado pelo desgasto provocado pelo calor, mas também por todas as circunstancias que compõem este magnifico Desafio d´Aventura em Trail Running...
...assim, numa progressão cautelosa, entre uma descida composta por uns trilhos um pouco técnicos, sentia passada a passada, enquanto revivia mentalmente todo o percorrido recente ate então, aquele preciso momento, podendo iniciar a saborear o gosto de mais uma conquista, numa luta leal, justa e de respeito pela natureza, pela montanha, pelos trilhos, pelos organizadores e seus regulamentos e por todos os participantes, camaradas de aventura, transportando entre tudo isto,  mais uma vez dignamente a camisola do Centro Vicentino da Serra » Portalegre ate ao cruzar do insuflável final...

 ...por aqui, o saborear de mais uma Ultra no esqueleto, entre o refrescar de uma cerveja fresca num merecido encontro de jornada com Amigos, mais rápidos e observar a chegada de Amigos mais lentos, mas todos eles bons Amigos numa partilha de historias ou acontecimentos de Aventura...
...alguns alongamentos, corpo na agua da praia, tempo para felicitar pessoalmente alguns dos responsáveis pelo Desafio, com a certeza que bem desejava percorrer o mesmo, tendo assim desta forma conseguido, mantendo o desejo de oportunamente voltar numa qualquer edição...
...para mim o Trail Running é tudo isto na sua mais pura essência, desejando continuar a Uivar desta simples forma por entre os trilhos, como também que o futuro assim o mantenha a modalidade por muitos e longos anos...
...de momento já me encontro por terras deste meu Alto Alentejo, cuidando de mim, na busca da melhor recuperação para um próximo Desafio d´Aventuras em Ultra Trail Running...
...com a certeza que foram momentos muito bem vividos, despeço-me neste Uivo enviando um grande abraço, lfmricardo

segunda-feira, 31 de Março de 2014

"...IIª Inatel Piodão Trail Running...."

...mais um Soberbo Desafio d´Aventura, numa "Voltinha" de 50km » 2818m D+ repleto entre tudo o que o compôs, provando justiça na aplicação das palavras "Trail Running", algures, pelos trilhos da serra do Açor, que por entre curvas e contracurvas chegamos a magnifica aldeia do Piodão, uma das mais belas aldeias de Portugal,  classificada como imóvel de interesse publico desde 1978...
...entre os morros desta serra, esconde-se uma aldeia de lousa e tradição que se ergue encosta acima, em becos estreitos e casas alinhadas com pequenas janelas de cor azul...
...vista da Aldeia do Piodão...
...por aqui dizem que se pode beber uma boa aguardente de mel ou provar mel de avelãs, como também realizar diversos Desafios d´Aventuras, tornando a visita mais agradável, pois a natureza ofereceu á aldeia toda a grandiosidade da Serra de Açor, repleta de uma beleza indiscutível...
...interior da Aldeia do Piodão...
...a agua que corre no vale, salta nas quedas de agua, o som que emite no silencio da serra e o ar puro que se respira não tem comparação, entre o verde arrebatador e as casas de lousa, o traçado típico da arquitectura como a brancura da igreja medieval...
...foi assim que vivi no Piodão, um dos melhores Desafios d´Aventura em Trail Running, entre um magico cenário natural, disperso por 50km com 2818m D+ de extraordinários e duros trilhos, sobre a batuta de mais uma organização da Associação Desportiva "O Mundo da Corrida", desta feita conjuntamente com a fundação Inatel...
...gráfico de altimetria do Desafio 50km...
...anteriormente, após alguns imprevistos de ultima hora no decorrer do final de tarde de sexta-feira, tudo se conjugou de seguida, de forma a que a Aventura tive-se inicio pela madrugada de sábado, sendo a alvorada pelas 4h15 e saída de Portalegre pelas 5h, numa viagem entre a Boa companhia dos Amigos, Nuno Rodrigues, um devorador de curvas, e os Vicentinos, José Presado, Daniel Dias e Emanuel Machado, que devido as suas excelentes prestações no Trail de 21km, classificaram os Vicentinos no 2º Lugar por Equipas...
...companheiros de jornada!!!
...na medida em que os km passavam, aproximávamos-no do Piodão, observando a paisagem em nosso redor, conjuntamente com as informações que dispúnhamos, prevíamos que nos esperava uma árdua jornada de luta entre as montanhas!!!
...assim que chegamos, cheios de alento e com a moral em alta, foi tratar do processo de secretariado, ultimar os restantes preparativos, e deslocar-me para caixa de 0km, realizar controlo de material obrigatório e aguardar pelo inicio do desejado Desafio entre o sempre agradável reencontro de Amigos destas artes...
...inicio do Desafio...
...após o seu inicio, sai cauteloso, encontrei o meu espaço, o meu ritmo de forma defensiva, pois o decorrer dos km, ira colocar cada qual no seu tempo e espaço, e assim fui contemplando tudo o que me rodeava, o cenário assim o exigia, enquadrando um grupo composto por inúmeros participantes que se partiu no 1º PAC » aldeia Chãs de Égua » 5km, onde tive que parar para destrancar a válvula interna da minha mochila de hidratação que devido a uma incorrecta colocação me impossibilitava de aceder ao pretendido liquido...
...foto com grupo Montanha clube Trail Running/Louzan... 
...assunto resolvido, agrupo na companhia de elementos do Montanha Clube Trail Rinning/Louzan e enfrentamos a escalada da primeira montanha do dia, que após de conquistada nos transporta numa descida técnica ate ao 2º PAC » aldeia Malhada Chão » 16km, local onde se dividem os dois Desafios e entre um animado grupo musical composto por gaitas de foles e bombos, reencontro o Compadre Alentejano Vitorino Coragem que em serviço naquele abastecimento me aconselhou a prosseguir com calma...
...Pico da Cebola 1400m alt. "Pirineus do Piodão"... 
...os conselhos dos mestres, tem que ser levados em conta e assim permaneci, desta feita na companhia de dois companheiros do norte, que se preparam para abraçar a edição da UTMB/2014, e conjuntamente iniciamos  a escalado da maior montanha do dia, o Pico da Cebola, com 1400m altitude, onde o esforço foi compensado pelo deslumbrante cenário de neve, com um nevoeiro em movimento, transportado pelo vento gelado e agreste que nos fazia descer ate ao 3º Pac » sitio da Covanca » 25km...
...algures pelos trilhos das Serras de Açor » Piodão...
...metade do Desafio estava conquistado, continuei determinado, consciente e fui progressivamente empurrando o corpo entre os trilhos técnicos, exigentes, desgastantes num sobe e desce constante, mas únicos, deslumbrantes, parecia que permanecia dentro das ilustrações dos livros da Anita, atingindo assim o 4º Pac » sitio da Fornea » 32km...
...neste abasteci e escutei para retemperar forças, para a escalada que se seguia, a qual provou ser devastadora, foi um caminhar quase de gatas por entre uma super inclinação com muita pedra solta, durante 3km +/- 50´ de tempo e muita energia gasta, recompensada pela satisfação na sua conquista e pela contemplação das vistas em todas as direcções...
...aproveitei a descida para recuperar, ainda que na mesma nem sempre era possível, era técnica e com piso irregular em determinados locais, exigindo concentração e massacrando as pernas e o corpo, que desejava alcançar o 5º Pac » sitio dos Penedos Altos » 36km, onde cheguei com dores no estômago, possivelmente devido a ingestão de um gel...
...entre algum sofrimento, continuei empurrando o massacrado esqueleto, que aos poucos foi combatendo sensações e pensamentos negativos, pois reconheço o estado físico/mental em que me encontro ainda não e o desejável, mas era necessário avaliar o trabalho que tenho vindo a desenvolver, após uma forçada paragem no passado ano, sabendo eu, que se estava a sofrer era porque me estava a fazer bem, era muito bom estar por ali e para comemorar tudo aquilo nada melhor que tentar aumentar o ritmo na ascensão do ultimo prémio de montanha que me faz atingir o 6º PAC » alto do Colcurinhos » 41km...
...somos informados que se segue uma descida com 6km, com bom piso, num trilho de terra em forma de Z devido a sua inclinação onde saio em grupo, mas depressa arrisco e me vou embora sozinho, chegando insulado ao ultimo e 7º PAC » aldeia Foz Égua » 47km, onde assim que entro no trilho técnico que dava acesso ao mesmo sou arrasado por fortes cambras nas pernas, permanecendo ali trancado durante alguns instantes e sendo ultrapassado não só pelos companheiros que comigo iniciaram a descida, mas também por alguns que vinha de trás...
...entre algumas cambras musculares!!!
...aguentei as dores, massajei, alonguei, abasteci e continuei completamente estoirado, reflectindo que a descida tinha-me levado aos limites, partiu-me as pernas por completo, a mudança de trilho, a abordagem do mesmo tinham contribuído para me encontrar naquele miserável estado...
...nada havia a fazer senão recuperar o melhor possível e encontrar o ritmo certo no serpenteado trilho que me transportava na subida final, composta pelos 3km finais, pois desejava saborear o insuflável final, localizado junto do Inatel Piodão Hotel, que servia de base a toda a estrutura organizativa do Desafio e de onde tinha partido a algumas horas atrás...
...Foz d´Égua...
...e assim fui progredindo metro a metro, passo a passo, escalando degrau a degrau, ate conquistar de forma digna o desejado insuflável final, transportando comigo mais uma vez a camisola do Centro Vicentino da Serra » Portalegre, entre os inúmeros sentimentos por ter conseguido transpor lealmente todas as dificuldades naturais que a montanha tinha para me testar, numa emoção interior, pessoal, profunda e indescritível...
...Inatel Piodão Hotel ****...
...após uns alongamentos, uma massagem de relaxamento e um merecido banho, era tempo de retemperar energias enquanto da refeição final,  surgindo ainda tempo de felicitar pessoalmente a Grande Senhora Margarida Henriques, o Amigo e Grande Mestre Eduardo Santos, como também alguns dos elementos presentes da organização A Associação Desportiva "O Mundo da Corrida", pelo magnifico Desafio, um Trail fascinante ao serviço de toda a comunidade presente...
...hora de regressar e no nosso regresso, ao subir-se a estrada íngreme e serpenteada, leva-se na memoria a calma, a beleza de uma aldeia histórica preservada pelo homem e pela natureza, com o desejo de regressar numa futura edição...
...entre companheiros de jornada e Amigo Eduardo Santos...
...em jeito de conclusão, foi bastante positivo a avaliação que faço na minha limitada participação, como também no restante trabalho desenvolvido através da minha voltinha diária no decorrer deste mês de Março, que encerra assim desta excelente forma mais um macrociclo...
...confesso ainda, através deste meu Uivo, que nesta minha simples formas de caminhar na vida, gosto imenso de me divertir neste desporto entre Amigos, que para estes, daqui e assim desta forma, envio um forte abraço, com a certeza que nos cruzemos brevemente num qualquer trilho...
...ate breve, lfmricardo